abr 082013
 

Devido à mudança de horários da monitoria em física sendo aceito o agendamento da mesma na segunda de manhã, ocorreu que fui até a escola comunicar para a Professora Karine, nesta oportunidade orientei um discente do nono ano em suas aulas de matemática, por que não tive discentes agendados de manhã de acordo com as mudanças referidas.

Consegui executar atividades de matemática, envolvendo conceitos de operações em relação ao princípio de proporção, onde veiculei o modelo matemático que satisfaz as condições iniciais do exercício, dentre os exercícios propus um desafio para o discente se preparar para o simulado aplicado pela sua escola.

Por dificuldades de fazer o discente se convencer do modelo matemático adequado para a solução do desafio, eu me desconcentrei em calcular corretamente as divisões elementares de (2/9), resultando em erro numérico, pois, todos os aspectos abordados estavam corretos, exceto este, identifiquei – o no momento de tranqüilidade posterior a aula. Esse discente é muito peculiar com seu método aritmético, mas, o mesmo não é necessário e suficiente para o modelo matemático a ponto de ser um conhecimento genérico, por isso, mostrei o método científico em vários exemplos para o fazer refletir das necessidades reais de uma solução.

Assim não me sinto à vontade em orientar aulas de matemática, por eu ter metodologias que alcançam os estudantes, mas são inviáveis de se expor oralmente para quem está com dificuldades em reconhecer o  seu próprio erro. Enfim erro também quando não estou com atenção e não sou ouvido plenamente. Decidi em não me envolver com estas aulas de matemática.

  2 Comentários para “MONITORIA PROVISÓRIA DE MATEMÁTICA”

  1. Olá Marcelo, boa noite.

    Interessante este relato. Fiquei curioso em saber como o aluno se saiu no desafio que foi proposto por você a ele. Ele conseguiu resolver o problema?
    Com relação ao seu descontentamento com relação às monitorias de matemática, eu compreendo em partes, pois creio que se trate de uma boa oportunidade de sair da zona de conforto e, também, de trabalhar com conteúdos e com um tipo de raciocínio úteis para a Física.
    Uma frase sua me chamou a atenção: "Assim não me sinto à vontade em orientar aulas de matemática, por eu ter metodologias que alcançam os estudantes, mas são inviáveis de se expor oralmente para quem está com dificuldades em reconhecer o seu próprio erro.". Ela sugere que, se você não consegue explicar o conteúdo para o aluno, você toma o caminho mais fácil que é o de não ensinar mais para este aluno. Não haveria algo de diferente que você poderia usar para ensinar este aluno?
    Abraços

    • ENTÃO PROFESSOR RODRIGO ENSINO BEM QUANDO GOSTO DE ENSINAR AQUILO QUE ME CHAMA ATENÇÃO, LOGO NESSE DIA NÃO ESTAVA ATUANDO NA MONITORIA DE FÍSICA (QUE MODESTAMENTE GOSTO MAIS DE APRENDER E ENSINAR), MAS A MATEMÁTICA FICA NO PLANO DE QUE EU GOSTO DE APRENDER TODAS AS SUAS CORRELAÇÕES COM AS OUTRAS CIÊNCIAS E PRINCIPALMENTE AS APLICÁVEIS À FÍSICA, QUANDO DA CONDIÇÃO DE QUE TENDO A APRENDER COISAS (CONHECIMENTOS) ENVOLVENDO A ÁREA DE ANÁLISE MATEMÁTICA E ARITMÉTICA EM CONJUNTO.

      ABRAÇOS.

Desculpe, o formulário de comentários está fechado no momento.